(92) 3213-6563 / (92) 98119-5388 rjalbuquerque@hotmail.com
Você também pode nos seguir no

Notícias

voltar

Cirurgia Plástica Segura em quatro passos

1 de maio de 2016

Todos os dias ouvimos histórias sobre procedimentos estéticos que transformam a vida de pessoas: mulheres que se submeteram a  procedimentos de redução de peso para finalmente ficarem saudáveis pela primeira vez em anos; mães que reconquistaram sua confiança após passarem as últimas duas décadas focadas em seus filhos; e sobreviventes de câncer de mama que recuperaram suas curvas através do procedimento de reconstrução dos seios após passarem por uma mastectomia.  Do lado médico, também há o maravilhoso trabalho filantrópico que nossos médicos realizam, viajando ao redor do mundo e oferecendo cuidados de saúde para aqueles que precisam.

Estas histórias são emocionantes e incrivelmente inspiradoras, mas há um lado diferente da cirurgia plástica que lança uma sombra sobre estas jornadas positivas.

Nós podemos ver nas manchetes frequentemente: histórias de mulheres que sofreram danos permanentes (ou ás vezes até morte) depois de se submeterem a procedimentos estéticos inseguros num esforço para economizar dinheiro. Após as recentes mortes trágicas de duas mulheres britânicas que viajaram para outros países para encontrar cirurgiões não licenciados, a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (International Society of Aesthetic Plastic Surgery (ISAPS)) emitiu um alerta sobre turismo médico.

“Cirurgia estética no exterior pode ser muito perigosa porque os padrões variam de um país para o outro. É essencial que os pacientes procurem por cirurgiões plásticos certificados pelos conselhos de medicina locais, independentemente de onde forem realizar o procedimento”, apontou o Dr. Susumu Takayanagi, Presidente da ISAPS. “A segurança dos pacientes é a nossa maior prioridade. A participação na ISAPS é exclusiva para cirurgiões plásticos certificados pelo conselho de medicina, que devem, ainda, ser membros de sua respectiva sociedade de cirurgia plástica nacional.”

“Pacientes são presas de médicos não licenciados porque se acredita erroneamente que qualquer indivíduo com um diploma de medicina pode realizar qualquer procedimento cirúrgico com segurança”, adiciona o Dr. Michael C. Edwards, presidente da Sociedade Americana de Cirurgia Plástica Estética (American Society for Aesthetic Plastic Surgery). “Há uma necessidade de os países estabelecerem regulamentações rígidas controlando quem pode realizar procedimentos de cirurgia plástica e em que ambientes cirúrgicos eles podem ser realizados.”

Ir ao topo

Se inscreva para receber novidades, notícias e informações exclusivas!

BOLETIM DE NOTÍCIAS

CLIQUE AQUI
Você também pode seguir a Clínica Visionnaire no
© 2016 Visionnaire - Todos os Direitos Reservados.